“Novos Jovens”

De Juliana Maksoud para Mon Âme

 “Eu me recuso a ser transparente” essas foram as palavras de Lyn Slater, uma das maiores influenciadoras digitais do mundo, na Conferência Internacional de Consultoras de Imagem de Chicago, em abril deste ano (eu estava lá!).

 

Ela, que está no Instagram como @iconaccidental (ícone acidental), se rebelou contra a forma como as pessoas enxergam as mulheres mais velhas.

 

O objetivo dela é causar impacto nas pessoas, através da imagem, chamando a atenção de todos para a questão do envelhecimento. Ela acha que mais velhos podemos ser tão interessantes quanto quando jovens.

 

Concordo com ela! E a moda sem idade está aí para provar isso. A moda já não leva mais em consideração a idade. Aqueles vestidinhos feitos em costureiras, abotoados na frente, discretos e padronizados, usados por nossas avós, ficaram no passado.

Hoje, ter uma boa imagem significa usar roupas que nos representam, nos favorecem (saiba mais em “Valorização do tipo físico” e “Estilos”) e que sejam adequadas ao ambiente que frequentamos e ao nosso estilo de vida, e isso vale para qualquer idade!

Ao que tudo indica, viveremos mais e melhor. Termos como “novos jovens” e “gray quake” (terremoto grisalho) surgem para identificar consumidores que estão envelhecendo, mas que se cuidam e vivem a vida.

 

Em geral, com mais tempo e maior poder aquisitivo, esse público (com 60 anos ou mais), passou a ser analisado e valorizado por grandes plataformas de tendências.

 

Hoje eles estão realizando sonhos, fazendo o que não fizeram ao longo da vida, seja por falta de tempo ou de dinheiro.

 

São mais felizes por sentirem-se mais livres das obrigações que tinham antes (trabalho, filhos, etc) e se aceitarem mais.

Quando nos aceitamos, somos menos duros conosco e, consequentemente, vivemos mais felizes.

 

A felicidade está na forma como enxergamos o mundo e, principalmente, como nos enxergamos (nossa autoimagem).

 

Ter consciência de quem realmente somos, e das nossas capacidades, nos ajuda a seguir pela vida com muito mais confiança, equilíbrio e felicidade.

 

 

Por Juliana Maksoud