Todo mundo tem ou já usou um lenço de alguma forma, mas você sabe como essa peça tão versátil surgiu?

Assim como qualquer roupa que usamos, primeiramente o lenço era usado para proteger o corpo, mas esse pedaço de pano já foi usado para vários outros motivos, além de se proteger.

É fascinante saber como cada cultura usava o lenço para fins diferentes.

Viajei no tempo e descobri registros de que a rainha do Egito, Nefertite, foi a primeira a usar um lenço na cabeça para passar um ar de mistério, em 1350 a.c.

Como sempre digo, roupas passam sempre uma mensagem que varia muito de cultura para cultura.

Na China, em 230 a.c, os lenços eram usados para distinguir guerreiros e funcionários do Imperador Cheng; já os Portugueses, usavam o lenço bordado para mostrar sinal de compromisso, e, dependendo da cor e do seu potencial financeiro, mostravam seu interesse para se relacionarem.

E é claro que não posso deixar de falar da famosa Hermès, a marca francesa que em 1837 foi inaugurada colocando no mercado os famosos lenços de sedas quadrados, mais conhecidos como “carré’’, feitos artesanalmente, onde artistas projetam manualmente cada peça e toda a fabricação é realizada em Lyon, no sudeste da França. O processo de impressão é de serigrafia manual – um a um – o que demora cerca de 6 meses para fabricar uma única tela. São tantos detalhes que cada lenço tem em média 27 cores, sendo uma tela para cada cor – levando em média 750 horas para imprimi-las. Sem falar na seda que vem do Brasil – sim, daqui mesmo – são utilizados 250 casulos de traças da amoreira, levando 18 meses para ficar pronto. Praticamente uma obra de arte.

Não é à toa que amo lenços. Além de ser um acessório que moderniza qualquer look, você ainda pode brincar com cores, estampas e formatos, criando amarrações de acordo com o seu estilo.

Te convenci? Lenço não sai de moda, então tire o seu da gaveta e vista do seu jeito.

Por Maria Eugenia O’Lery de Figueiredo
para Mon Âme

 

Lenço até na trança do cabelo – Rapunzel Moderna